Entrevista – Irmãos aprovados no concurso da PRF (João Paulo)


.: Depoimento de um aluno do Quebrando as Bancas :.

Qual seu nome, idade e local onde mora?
Meu nome é João Paulo Souza Aciole, tenho 29 anos e sou de Aracaju-SE.

Fale um pouco sobre você e sua trajetória nos concursos.
Cursei meu ensino médio em escola pública (Instituto Federal de Sergipe) e consegui ser aprovado nos vestibulares de duas federais para Engenharia Civil e Engenharia Mecânica. Hoje sou formado em Engenharia Mecânica e acabei me frustrando com as faltas de oportunidades e desvalorização profissional, o que acabou me levando a optar pelos concursos públicos.
Meu irmão já era concurseiro e concursado, e isso foi de grande ajuda para que eu não ficasse muito tempo preso aos erros dos concurseiros iniciantes. Naquela época ele já estudava para PRF e procurou me orientar para conseguir tirar o máximo proveito do tempo e dos materiais.
Esse início de concurseiro aconteceu em meados de fevereiro de 2018 e como eu estava muito verde, resolvi fazer um cursinho presencial para um cargo administrativo de nível médio. Péssima experiência! O cursinho só fazia me deixar cansado a tal ponto de não querer estudar em casa e também não atendia minhas dificuldades por eu ter que me moldar a uma grade genérica. Passou esse concurso e fiquei numa posição bem longe das vagas. Em abril de 2018 saiu edital do concurso para praça e oficial do Corpo de Bombeiros de Sergipe. Para esse concurso estudei em casa e priorizei as matérias que tinham maior dificuldade e maior peso. Passei em 31º (dentro das vagas) para praça e fiquei em 27º (de 12 vagas) para o cargo de Oficial. Em decorrência dessa aprovação acabei parando um pouco os estudos e fui me preparar para as etapas seguintes e assim logrei êxito. A partir daí meu foco era a PRF, até que saiu o edital do MPU e resolvi me inscrever. Continuei focando nas matérias comuns entre PRF e MPU e o que era de novidade para o MPU estudei apenas por material gratuito e resumos nas duas semanas que precederam a prova, por uma grande felicidade, consegui fazer 84 pontos (acertei 47 de 50 das básicas) para o cargo de técnico administrativo do MPU para o estado do RS. Do final de outubro até dia 03 de fevereiro de 2019 (estudando no natal e no ano novo) foi foco total na PRF.
Em resumo, posso dizer que minha curta trajetória nos concursos foi bastante satisfatória e muito disso foi devido a aprender a estudar antes de começar a estudar. Em 1 ano de estudos consegui 4 boas aprovações, sendo 2 estaduais e 2 federais.

Sobre o concurso da PRF:
Minha colocação (objetiva+discursiva) no concurso da PRF foi 8º lugar para o estado do Tocantins.
Por ser da área de exatas, tive o privilegio de não precisar despender tempo com as disciplinas de matemática e física (errando um item em cada) e concentrei mais nos blocos 2 e 3 (minha maior dificuldade). O bloco 3 foi o único que não consegui concluir o estudo como gostaria, mas consegui alcançar minha meta de fazer 20 pontos dos 30 possíveis.
No pré-edital eu costumava estudar por volta de umas 4h diárias uns 5 dias por semana, nos dias que eu me sentia indisposto eu simplesmente não estudava ou assistia alguma videoaula como forma de descanso. Já com o edital na praça, minha carga horária chegava a bater 6-7h com certa frequência. Como eu estava desempregado, dia de semana ou fim de semana não tinha diferença.
Um dos momentos complicados foi quando saiu o edital regionalizado, pior até que o número reduzido de vagas. Cogitei seriamente em largar e esperar o próximo concurso nacional. Felizmente fui fazer a prova!

O que a PRF é para você?
A PRF começou como um sonho do meu irmão que eu acabei internalizando e me apaixonando pela instituição.

Conte sobre o dia da prova.
A prova era em um domingo e nós (eu e meu irmão) chegamos em Palmas na sexta-feira. Nos dias anteriores a prova nós ficamos enclausurados no hotel saindo apenas para realizar as refeições e o resto do tempo revisando todo material criado durante o estudo. Ainda bem que tudo isso deu certo, porque nós dois quase endoidamos naquele quarto. Eu tinha muita confiança na aprovação dele por ele já estar estudando há um bom tempo e saber que ele estava em um nível muito alto, acabou que torci mais pelo resultado dele do que pelo meu.

Conte como foi seu dia (quando viu seu nome na lista dos aprovados) e qual foi seu sentimento ao saber que foi aprovado.
Com o gabarito preliminar eu já estava bastante confiante com a aprovação, tinha feito 93 pontos. O Balde de água fria veio com as 12 anulações vazadas e dessas 12 eu só ganhei 1 questão. Logo imaginei que com 10% de anulações a nota de corte iria disparar, mas no fim deu tudo certo e já que eu não fui beneficiado com as anulações, pelo menos meu irmão havia conseguido subir 14 pontos. Estávamos classificados nas vagas!

Sabemos que seu irmão também foi aprovado…. Fale mais sobre esse momento, para você e sua família (ver os 2 aprovados).
Uma aprovação na família já é uma grande alegria, dá para imaginar os dois irmãos aprovados dentro das vagas para a PRF? Tente imaginar!
Posso dizer que o mérito da nossa aprovação se deve em grande parte aos esforços dos nossos pais que sempre nos apoiaram e nos deram condições para poder estudar.

 

Sobre o Quebrando as Bancas:

Sempre fui adepto de estudar da forma mais eficiente possível. Odiava ter que passar horas sentado estudando, então aquilo tinha que ser otimizado. Como já citei no primeiro bloco, antes de começar a estudar para concurso eu busquei muito aprender com as experiências de quem já foi aprovado. Juntei tudo e adaptei da minha forma. Meu estudo foi majoritariamente por material escrito, lendo uma primeira vez de forma superficial para conhecer o todo e na sequência lia tudo com mais calma anotando os pontos que considerava importante, formando meu resumo. Com resumo feito, partia para as questões e tudo que fosse novidade eu acrescentava ao resumo. Mapas mentais eu utilizei bem pouco, apenas para assuntos que exigiam uma melhor memorização.
O Quebrando as Bancas foi um presente que recebi do meu irmão. Como o tempo estava apertado ele achou de grande valia apostar em materiais mais enxutos para ver assuntos pela primeira vez (meu caso). Posso dizer que foi de ótimo custo x benefício, material mais curto contendo o essencial de cada matéria. Agora o que eu tenho que destacar e foi o ponto que colocou eu e meu irmão nas vagas, é a questão das dicas de redação. Seguindo a orientação do QB nós conseguimos mais de 19 pontos dos 20 possíveis.

 

 

Valeu a pena?
Só tenho a agradecer a toda a equipe do QB e em especial ao Luís e ao Franco pela proximidade com que eles conduziram esse projeto em relação aos alunos.

 

QUERO LER A ENTREVISTA DO FELIPE (Irmão do João Paulo)


Aprenda a estudar

>>08 livros que podem revolucionar e acelerar seus estudos… <<

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *